27 de abril de 2010

Enfim o Fim!












Hoje acordei cedo, coloquei minha melhor roupa,
Me olhei no espelho, e tive orgulo de mim...
Chorei por lembrar de minha mãe,
Por querer o abraço forte de meu pai,
E estar sempre tão longe de meus irmãos...

Fiz carinho em meu gato,
Botei o lixo pra fora e isso me fez refletir,
Na noite que findou amei aquela que realmente me ama...
Minha noite foi ruim após isso, pois não dormi,
Não sonhei... e como pedra no sapato, chorei

Não tenho dor em meu peito,
Ela há muito partiu, rasgou a carne e dilacerou o querer,
Não tenho mágoa e nem sentimento,
Mas a insistência em querer saber do meu querer,
Isso me faz mal, a mim e meu amor...

Hoje acordei cedo, tomei meu banho demorado,
Coloquei a roupa da luta e olhei nos meus olhos...
O espelho é o inverso do que somos,
Minha beleza é feia e até acredito em mim...
Meu medo é minha coragem,
E na hora que chorei... sorri...

O dia tá chuvoso, o frio aparecei,
Lembrei dos meus medos e então pensei...
Veio o esperado, momento crucial,
Tentei evitar o inevitável, isso me fez mal...
Recebi a encomenda de cara e peito aberto,
Coloquei a pedra em cima do pergaminho, fiz o correto

Foi a hora mais marcante posso dizer a mais feliz,
A dor que era sufocante, virá em forma de dor maior,
Estou preparado para a briga, na verade sempre estive,
A dor que virá não será para mim,
Pois agora sei que enfim veio o Fim!

Um comentário:

A Arte Dos Livres Pensadores disse...

...Que lindo e espontâneo este poema..
...Exposição maravilhosa dos sentimentos...

Beijo...
Nirma Regina